doencas-vasculares-e-coronavirus-quem-possui-doencas-vasculares-faz-parte-dos-grupos-de-risco

Desde que surgiram os primeiros casos de contaminação, o novo coronavírus colocou o mundo em alerta devido às complicações para a saúde humana. Os riscos são ainda maiores para pacientes acima de 60 anos, uma vez que possuem o sistema imunológico mais debilitado, mas será que existe relação entre doenças vasculares e coronavírus?

Apesar de ser um vírus desconhecido até o registro dos primeiros casos, a comunidade científica já realizou algumas descobertas importantes sobre os fatores de risco para o agravamento da COVID-19, doença causada pelo coronavírus. Dentre elas, a de que existe, sim, relação entre doenças vasculares e coronavírus. 

Isso significa que pacientes que sofrem com doenças vasculares também fazem parte do grupo de risco e devem redobrar os cuidados para evitar a contaminação pelo coronavírus. Neste artigo, você vai entender melhor essa relação e conhecer as medidas preventivas que você deve adotar em sua rotina. Acompanhe!

Doenças vasculares e coronavírus: qual a relação?

No Brasil, a primeira vítima fatal da COVID-19 foi um homem de 62 anos de idade que sofria de diabetes e hipertensão. A segunda vítima, uma mulher de 63 anos, também apresentava o mesmo quadro do primeiro paciente. 

Esses casos corroboram o que as autoridades de saúde vem apontando desde o início da pandemia: doenças crônicas, como é o caso das doenças vasculares, também elevam os riscos de mortalidade da COVID-19. 

O diabetes e a hipertensão são as doenças que mais merecem destaque neste cenário. Elas não reagem com o coronavírus, mas podem agravar o quadro de pacientes que estão infectados. Entenda melhor essa relação!

Hipertensão

A hipertensão promove alterações nos neutrófilos, os glóbulos brancos mais numerosos em nosso organismo e que atuam como a primeira defesa diante de infecções causadas por vírus e bactérias. Como são enfraquecidos pelo quadro de pressão alta, eles não conseguem agir com a eficácia necessária para eliminar o novo coronavírus.

A falta de controle da hipertensão facilita a propagação do vírus pelo organismo, fazendo com que ele chegue mais rapidamente ao pulmão. Ao atingir o órgão, o vírus se espalha e provoca complicações respiratórias que podem ser fatais para os pacientes hipertensos. Além disso, o vírus pode afetar o músculo cardíaco desses pacientes – que já possuem o coração mais sobrecarregado – e causar inflamação do miocárdio.

Diabetes

Pacientes diabéticos que apresentam os níveis de glicose constantemente altos também podem apresentar uma queda na imunidade, agravando a ação do coronavírus no organismo e dificultando a recuperação do paciente. 

A relação entre diabetes e coronavírus também pode provocar um efeito inverso, uma vez que qualquer tipo de infecção viral pode aumentar os níveis de glicose no sangue. Quando isso acontece, os sintomas dos pacientes infectados pelo vírus se agravam, o que acaba por aumentar os riscos de complicações fatais.

Devo suspender as medicações para controlar a hipertensão?

Muitos pacientes hipertensos realizam o uso de medicamentos da classe dos Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina (IECA) para manter a pressão controlada. Porém, sabe-se que o novo coronavírus tem afinidade com a Enzima Conversora de Angiotensina (ECA), o que seria um risco para o agravamento da COVID-19.

Estes tipos de medicamentos provocam um aumento expressivo desta enzima no organismo e, por isso, esses pacientes têm mais chances de que a doença evolua de forma mais severa. Apesar da descoberta, a orientação é que os pacientes não suspendam o uso do medicamento, já que a interrupção do tratamento traria um risco maior à saúde. O indicado é que o paciente entre em contato com o médico especialista responsável pelo seu caso e siga as orientações indicadas por ele. 

Como prevenir a contaminação pelo coronavírus?

Como existe relação entre coronavírus e doenças vasculares, pacientes que fazem parte deste grupo de risco devem ter cuidados redobrados para não contrair o coronavírus. As principais recomendações incluem manter o diabetes e hipertensão controlados e seguir o calendário vacinal à risca. Confira outros cuidados essenciais: 

  • intensifique a frequência na lavagem e higienização das mãos;
  • mantenha, rigorosamente, o isolamento social;
  • procure se alimentar de maneira saudável;
  • hidrate-se com mais frequência;
  • aumente a frequência da limpeza de sua casa;
  • higienize, com álcool gel,  sacolas, embalagens e outros objetos que vieram de ambientes externos.

Caso o paciente note os primeiros sintomas do coronavírus, a recomendação é buscar ajuda médica imediata para realizar o tratamento adequado e evitar o agravamento dos sintomas. Uma das recomendações do American College of Cardiology é que a triagem e o  tratamento sejam priorizados em pacientes contaminados pelo coronavírus e que possuem doenças vasculares.

 Quer receber mais informações sobre saúde vascular? Assine nossa newsletter e receba os conteúdos da Coris diretamente em seu e-mail. 

Material escrito por:
Cirurgião Vascular e Endovascular - CRM 4874 / RQE 10553

O Dr. Gilberto Galego é membro da equipe Coris Vascular. Graduou-se em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC-1988) e concluiu o seu doutorado em Cirurgia na Universidad Autonoma de Barcelona (1992). É professor adjunto da UFSC, cirurgião vascular e endovascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Marque a sua consulta com o Dr. Galego aqui na Coris Vascular! Fone: (48) 3322-1043 | (48) 9.8842-6181 (Whatsapp)   Ver Lattes

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Do que você precisa? Veja todos os procedimentos realizados pela Coris Vascular.

PESQUISAR