O linfedema é uma doença crônica que causa acúmulo de líquido nos vasos linfáticos, decorrente das erisipelas e linfangites, que devem ser tratadas de forma intensiva para evitá-la. Apesar de terem quadros clínicos semelhantes, as erisipelas e as linfangites são doenças diferentes, que podem ter em comum o mesmo agente agressor e a mesma forma de contágio.

erisipela, também conhecida como “erisipa” ou febre de Santo Antônio, é um processo infeccioso da derme (camada da pele), causado pelo estreptococo (uma bactéria), que agride os vasos linfáticos. Às vezes, dependendo da maior virulência do estreptococo ou da menor resistência do paciente, pode acontecer a formação de bolhas e ulcerações (rachaduras da pele) com perda da linfa (líquido que circula nos vasos linfáticos).

Habitualmente, a porta de entrada dessas bactérias é uma micose interdigital (frieira), mas também pode ser através de pequenos ferimentos na pele.

linfangite é o processo inflamatório dos vasos linfáticos. Pode ter origem bacteriana, por micose interdigital ou ferimento na pele, viral, fúngica ou parasitária por leishmaniose, filariose, toxoplasmose e oncocercose.

Os sintomas mais comuns das linfangites são a presença de estrias avermelhadas e quentes, longitudinais na perna, estendendo-se desde a lesão cutânea até a virilha, o que corresponde ao trajeto dos vasos linfáticos, e calor, dor local, adenomegalia inguinal (íngua), febre e edema (inchaço).

Tratamento para o linfedema

Tanto as erisipelas como as linfangites deverão ser tratadas de forma intensiva, pois, caso contrário, poderá se instalar o linfedema (elefantíase). Essa condição, muitas vezes, adquire proporções dramáticas, levando a danos irreversíveis.

A prevenção das erisipelas e linfangites consiste no combate às micoses interdigitais, cuidados especiais na higiene dos pés e tratamento de pequenos traumatismos ou arranhões e de pequenas infecções da pele.

Uma vez instalada, o paciente deve procurar orientação imediata de um especialista,

visto que uma só crise pode levar ao linfedema. Tratamento alternativos, como amarrar uma fita vermelha na perna ou colocar uma tartaruga embaixo da cama, certamente não agravam as erisipelas ou as linfangites, mas não as curam.

Conheça os tratamentos realizados pela Coris.

Material escrito por:
Cirurgião Vascular e Endovascular - CRM 14617 - RQE 7962

Especialista em Cirurgia Vascular (AMB/SBACV). Especialista em Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular (AMB/SBACV/CBR) e Ecografia Vascular com Doppler (AMB - SBACV/CBR). Atua com Cirurgia Vascular e Endovascular e Ultrassonografia Vascular com Doppler e como instrutor em cursos para especialistas.   Ver Lattes

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Do que você precisa? Veja todos os procedimentos realizados pela Coris Vascular.

PESQUISAR